ReactOS 0.3.11 sem data de lançamento

A versão 0.3.11 do ReactOS está atrasada e os desenvolvedores do sistema adiaram a data de lançamento. Prometido para o final de Outubro, a data foi removida do site oficial, que agora apenas conta com a informação de que “a próxima versão será a 0.3.11. Esperemos que esta nova versão traga diversas melhorias e que o atraso não demonstre de forma alguma uma paralisação no desenvolvimento do sistema.

MegaDrive no ReactOS? Yes he can!

Todos já devem ter se perguntado “será que roda jogos no ReactOS?” ou “Ele executa qualquer outro programa do XP?”. Nessa linha de raciocínio, vou mais além: Emuladores! Sim sou fanático por eles e tenho certeza que outras pessoas também são! Eles são o nosso “flashback” para os jogos antigos, os clássicos de muitos consoles!

Depois de muito fuçar e testar diversos emulators, executei testes com o emulador GENS de MegaDrive e seu resultado foi perfeito!

Detalhes:

  • Som não funciona (testes feitos em uma maquina virtual do VirtualBox com o driver de som instalado e funcionando – este driver segundo documentações do ReactOS suporta somente saída de som em 44100Hz), o emulador dá um crash no sistema com o som ativo e nessa frequência específica, em outras frequências não há crash mas também não há som e o desempenho do emulador fica muito lento;
  • Desempenho: rápido e estável (som desabilitado);
  • Testado no ReactOS 0.3.10;
  • Problemas com teclado, não suporta algumas teclas e outras uma vez pressionadas, permanecem assim para sempre (mesmo problema relatado com o Unreal Tournament).

Seguem os screenshots de algumas telas de jogos rodando.

Continue lendo

ReactOS: Uma alternativa real ao Windows?

Encaremos os fatos: apesar das óbvias deficiências, o Windows ainda é o SO favorito da grande maioria dos usuários. O Linux, por sua vez, amarga uma injusta fama de “complicado”: muitos não migram para o Pinguim apenas para não ter que reaprender o “bê-a-bá” da informática.

Mas… e se alguém criasse um sistema operacional livre capaz de rodar a grande maioria dos programas desenvolvidos originalmente para o Windows? É aí que entra o ReactOS, um sistema operacional Open Source que visa ser binariamente compatível com o Windows.

Um pouco de História

Pode-se dizer que as sementes do projeto ReactOS foram lançadas em 1996 por Yannick Majoros, com o projeto FreeWin95. Na época, o Windows 95 ainda era novidade, e os desenvolvedores planejavam “cloná-lo” sob licença Open Source.

Após um ano de muita discussão, praticamente nada de concreto foi feito. No final de 1997 o projeto trocou de nome para “ReactOS” (o termo “react” vem de “reagir”). Agora sob a liderança de Jason Filby, os objetivos do grupo também mudaram: a equipe decidiu que seria bem mais proveitoso duplicar a arquitetura do Windows NT 4.

“O Windows XP e o Windows 2K são sistemas construídos sobre o NT4 – ou seja, são upgrades dele.” – declarou Filby em entrevista concedida em 2001. Ele continua: “Isto significa que a maior parte do que já fizemos (no ReactOS) é compatível com esses novos sistemas operacionais”.

Figura 1: Tela de Setup do ReactOS 0.3.9

Continue lendo

Revista Espirito Livre publica artigo sobre o ReactOS

Foi publicada na edição deste mês da revista Espirito Livre, reportagem sobre o ReactOS. No artigo intitulado “ReactOS: Uma alternativa real ao Windows?”, o autor Cristiano Rohling faz um retrospecto do projeto ReactOS, relata suas experiencias ao usar o sistema e traça uma visão sobre a disponibilidade do sistema em um futuro próximo. Se você leitor não conhece a revista Espirito Livre, vale a pena conferir a reportagem, as edições são gratuitas e os artigos editados por colaboradores ativos da comunidade brasileira de software livre. Para baixar a edição de agosto, clique na imagem abaixo:

Edição de agosto da revista Espirito Livre traz reportagem sobre o ReactOS.

Instalando os adicionais para convidados do VirtualBox no ReactOS 0.3.10

Nos últimos testes com o ReactOS temos utilizado mais a maquina virtual VirtualBox, devido as opções avançadas de configuração da mesma. Tanto a VirtualBox quanto a maquina virtual VMware possuem drivers para que seus dispositivos virtuais funcionem corretamente com os sistemas operacionais instalados nelas – normalmente drivers para Windows e Linux, os sistemas mais usados em virtualização. No teste de instalação do Second Life (leia mais aqui), foi relatado que os ‘adicionais para convidados’ do VirtualBox (os drivers para o sistema convidado), não instalaram, mas um leitor entrou em contato informando ser possível a instalação usando a imagem ISO que contem os drivers, disponíveis na arvore de instalação do VirtualBox que fica por padrão na pasta ‘app32’ do programa (na instalacao no Windows).

Este tutorial leva em consideração que você já tem o ReactOS instalado em uma maquina virtual VirtualBox. Caso ainda não possua, veja como criar uma no artigo Instalando o ReactOS no VirtualBox no Windows XP e no Ubuntu, parte I e II.

Montando a imagem ISO

Para poder instalar os drivers de dispositivos usando o adicional para convidados do VirtualBox, basta configurar o dispositivo de CD/DVD-Rom para montar a imagem ISO, seguindo os passos descritos abaixo:

Na janela do VirtualBox, primeiramente clique na opção Configurações.

Selecione a opção CD/DVD-ROM.

Continue lendo

Quake 2 no ReactOS 0.3.10!

Nesse final de semana, realizei testes com o Quake 2 rodando no ReactOS 0.3.10, tudo em uma máquina virtual do VMWare.

Primeiras impressões:

  1. A instalação convencional não funciona (realizei testes com a versão full do Quake2)
  2. Para rodá-lo no ReactOS, primeiro instale o jogo no Windows, copie a pasta para onde você instalou o jogo para dentro de uma pasta no ReactOS, para isso eu uso o VMWare e seu montador de partições.
  3. Não esqueça de deixar o CD do Quake no drive, mesmo fazendo a instalação completa, o jogo faz referência as faixas de áudio que nele existem.

O jogo roda perfeito, com relação aos modos de vídeo, consegui realizar testes com o modo de renderização via Software e com o default OpenGL.

Usando o software Renderer, o gráfico é mais rápido, fluindo em tempo-real e jogável, porém com os gráficos muito quadrados, sem nenhuma filtragem (bilinear por exemplo) e meio sem vida.

Usando o default OpenGL, o jogo fica outro, gráficos muito bons,  com filtragem, sem pixels quadrados, porém com a velocidade comprometida. A explicação para a velocidade é óbvia, realizei os testes em uma máquina virtual e o ReactOS não possui ainda os drivers de vídeo para a placa virtual, na realidade ainda não é possível instalar o WMWare Tools.

Como ainda não há suporte no ReactOS para som no VMWare, não foi possível testar essa parte.

Só um detalhe, o jogo sofre do mesmo problema do Unreal Tournament, quando se pressiona uma tecla ou até mesmo o botão direito do mouse para atirar, a mesma permanece pressionada mesmo já tendo soltado a tecla, talvez um bug na API do ReactOS que cuida da parte de entrada (teclado, mouse, etc)

Abaixo alguns screenshoots feitos por mim, pretendo se possível realizar os mesmos testes em uma máquina real, inclusive para analisar a parte de áudio:

Continue lendo

VLC Player 1.0.0 no ReactOS 0.3.10

Lançado no final de semana passada, a nova versão do VLC Player, um multi-tocador de áudio e vídeo em vários formatos, agora é capaz de rodar DVD de alta definição e em full HD, conforme informado no site dos desenvolvedores. Diante do sucesso da instalação da versão 0.8.0 em nosso ultimo teste (leia mais aqui), recomendado na ferramenta de downloads do ReactOS, resolvemos testar se a nova versão do player apresentaria a mesma compatibilidade com o sistema.

Instalação

A instalação em si ocorreu sem problemas, como já tem sido observado em todas as versões do programa testadas pelo blog, mas como em alguns testes anteriores, não foi possível iniciar o VLC, sendo que desta vez o mesmo provocou erro em ambas as maquinas virtuais testadas; no VirtualBox provocou o travamento da mesma gerando mensagem de erro no Windows (sistema hospedeiro do computador de teste) e na VMWare o reinicio automático da maquina virtual.

A instalação do VLC em si, foi bem sucedida.

Continue lendo